Como máquinas de gravação a laser recebem os inputs de comunicação

Algumas questões que, ao mesmo tempo que são simples, são também frequentes: “como dar os inputs para o sistema de gravação?”, "como essa implementação se dá?" e "quais os parâmetros para implementar uma máquina de gravação ao meu sistema?".

Quando possíveis clientes chegam até a PRO Marking, com a demanda já instaurada de gravar, mas em grandes volumes, ou com determinada complexidade de dados e configurações, as tratativas se desenrolam acerca do tema. Ninguém adota uma nova tecnologia em sua empresa, sob a possibilidade de que ela não atenda, e é com o intuito de elucidar esse questionamento, tão comum, que este artigo se faz necessário.

Diálogo humano com foco em solução

Dentre as primeiras etapas da negociação, em termos de implementação, está no estudo de caso.

“Precisamos gravar X peças, as quais possuem N variações e, suas marcações, devem seguir uma lógica pré estipulada e tabelada em Y colunas”. Apesar de parecer uma demanda bastante complexa, trata-se de algo absolutamente possível.

A essa altura do campeonato você já deve saber que a integração de sistemas é basal para o pleno funcionamento da indústria 4.0. A partir de softwares distintos (já utilizados ou não), pagamentos, gestão de estoque, automatizações ou o mero atendimento (e registro) de clientes, tudo passa por processos integrados.Seu intuito principal é centralizar, tratar e utilizar, conforme necessidade, dados que circulam por toda uma cadeia e devem fazê-lo de forma rápida e eficiente.

Aplicando esta mesma lógica a setores únicos, a gravação a laser obedece a mesma. Apesar da facilidade supracitada (e também da realização da integração), esta só precisa passar por um processo de definição inicial, a qual atenda às necessidades latentes do processo. As nossas máquinas de marcação a laser são projetadas pensando nos conceitos da Indústria 4.0, que tem como principal objetivo gerar maior integração entre produto e linha de produção de forma inteligente, melhorando processos e a rastreabilidade dos produtos. Por conta da sua gravação de qualidade indelével, o laser torna-se eficiente na manufatura das indústrias.

Quais os tipos de integração de sistemas mais comuns?

Banco a banco

A partir da mais simples, temos a integração “banco a banco”, onde o compartilhamento de informações ocorre entre sistemas diferentes, com o auxílio de um software de extração de dados.

Deve-se ater aqui à necessidade de se desenvolver um sistema bastante redondo e que, conforme estudos prévios, atenda as necessidades do processo, sendo facilmente adaptável. Esta comunicação pode se dar através de protocolos de controle de transmissão e internet, peças cruciais para comunicação em rede, com destaque para o TCP/IP, que é fundamental para a rede de internet, pois esses dois protocolos garantem que pacotes de informações cheguem a seu destino de forma correta e segura.

Trocas e compartilhamentos de dados eletrônicos

Este já é um tipo de integração um pouco mais rebuscado, uma vez que requer um software que, a grosso modo, traduzirá os dados para ambas as pontas a serem integradas.

Para que esta integração se valha, tanto a importação, quanto a exportação dos dados entre sistemas deve ser feita de maneira sempre correta. E daí advém a dita “complexidade”. Com a tradução bilateral a plenos pulmões, o sistema é capaz de gerar um fluxo de dados contínuo e padronizado entre sistemas. Para tal, o software escolhido/desenvolvido deve auxiliar e entender as mensagens recebidas.

API - Com foco em comunicações e implementações

Conforme a lógica proposta de crescimento de complexidade, fica aqui listado por último o termo, já familiar a muitos: API.

O acrônimo se dá para o termo "Application Programming Interface", que significa, em tradução livre, "Interface de Programação de Aplicação". Esta refere-se a qualquer software com função distinta e que pode ser pensada como um tipo de contrato de serviço entre duas aplicações. A partir da lógica de “contrato”, entenda que as regras são (e devem) ser pré-estabelecidas. Seja com relação ao direcionamento dos dados, quem comunica o que a quem, como se dão as solicitações, as respostas, o formato das mesmas e demais questões relacionadas. Seu funcionamento incorre a partir das necessidades do projeto e a partir de jargões próprios da engenharia e ciência de computação, com exemplificações de “cliente” e “servidor”.

O fundamento proposto está no fato de que a aplicação envia uma solicitação (que aqui recebe o nome de "cliente'') e a aplicação que envia a resolução/resposta (que aqui recebe o nome de “servidor”) fecha o ciclo. Este ir e vir de informações pode se dar através do protocolo TCP/IP supracitado. O tema pode ser ainda mais aprofundado, passando pelos diferentes funcionamentos de APIs (WebSocket, REST, SOAP e RPC), bem como dos benefícios decorrentes da técnica e dos tipos das mesmas (privadas, públicas, de parceiros e compostas). Sim, apesar de ser um tema bastante profundo, em que se pese a complexidade de execução das mesmas, vale aqui ressaltar que da multiplicidade advém a solução, única e adequada ao processo e a empresa.É claro que todas as integrações citadas se resvalam em questões estruturais, tais como segurança, sensibilidade de dados tratados, possibilidade de aporte do projeto e momento. Seja ele da própria empresa ou coletivo, a exemplo de ano eleitoral, períodos de rescisão e período fiscal.

Considerações finais e a solução PMK

Quando tratamos desse assunto, fazemos de uma maneira branda, leve, em tom de conversa mesmo, pois sabemos também que decisões desse calibre envolvem etapas, processos e pessoas. Mas a PRO Marking atua na automação e adequação de projetos personalizados já há mais de 12 anos. Temos, além de uma equipe experiente e capacitada, todo um know-how e expertise na implementação de rastreabilidade (ou nas possibilidades de fazê-lo) para quem e onde quer que esta se faça necessária.

Não deixe de conferir nossa página de Cases de Sucesso para conferir por conta própria. Por fim, lembrando sempre que essa integração de dados e máquinas é um assunto que dá muito pano para a manga, por isso lembramos a você, caro leitor, que nossa equipe está disponível para uma conversa mais aprofundada, basta nos chamar por aqui.

Quer saber mais da Solução PRO Marking e dos nossos demais produtos? Não deixe de acessar nossas redes sociais:

LinkedIn → https://br.linkedin.com/company/promarking-laser

Instagram → https://www.instagram.com/promarkingsjc/

Facebook → https://www.facebook.com/PRO-Marking

YouTube → https://www.youtube.com/@promarking-rastreabilidade29

Veja mais

Laser do tipo fibra: conheça a tecnologia por trás das nossas máquinas de gravação a laser

SAIBA MAIS

Solda a laser: o guia completo para entender essa tecnologia

SAIBA MAIS

O 5G no Brasil

SAIBA MAIS

A importância da qualidade na empresa

SAIBA MAIS